terça-feira, 16 de setembro de 2014

IMÓVEL E INSENSÍVEL

     O Estado Brasileiro é uma rocha dolomítica: nada o abala. Mas isso, quando se trata de um país habitado, com povo e um arremedo de organização política, como no nosso caso, é uma tragicomédia
e nada mais que isso.
     Nos diversos regimes sob os quais vivemos nos últimos 514 anos, após o "destapamento" português, jamais fomos capazes de criar um aparelho estatal que efetivamente associasse a nação a aquele; melhor dizendo, não conseguimos ainda nos livrar do Estado Colonial, dirigido a favorecer uma pequenina porção de pessoas, geralmente as mais gananciosas e inescrupulosas, ao invés de universalizar de maneira democrática as oportunidades.
     Daí, dessa nossa incompetência firmemente enraizada, nasce o Brasil: um dos países mais injustos do Mundo, onde a preocupação maior é e sempre foi a de criminalizar a pobreza.
     Mais de noventa por cento favoráveis, entre outras aberrações imbecis, à "diminuição da idade penal" demostram que somos isso que somos: um aglomerado de gente sem a menor noção  de cidadania, sem a menor educação cívica, sem solidariedade alguma com os menos favorecidos. Uma raça de pigmeus oportunistas, farisaicos, vorazes e cínicos, nada mais.